Roda da Fortuna, Roda da Vida


Então, 2008 será regido pelo Arcano X do Tarot… o que isso quer dizer? Sinceramente, para mim a coisa funciona meio no esquema “com que roupa eu vou?”. {imagem: Visconti Tarot}

Trocando em miúdos, me chama muito mais atenção em qual contexto estaremos envolvidos (individualmente e em grupo) do ponto-de-vista da energia interna (logo, temos algo a aprender com isso) do que fazer previsões.

Agrega pouco valor, a meu ver, dizer que será um ano de instabilidade e grandes mudanças, mas quando afirmo que estaremos muito mais conscientes de que a vida é mudança as coisas mudam de figura.

Falar é fácil, fazer é que são elas. Temos vários pacotinhos internos que precisam ser abertos, um a um. Aprendemos na escola: tudo nasce, cresce, alcança o seu apogeu, definha e morre. Os budista ensinam: tudo é impermanência. Da teoria para a prática, contudo, enfrentamos a ignorância, medos, apegos e vaidades – entre outros venenos da mente – e desejamos que a vida siga o roteiro que nós estabelecemos para ela – daí o sucesso de caça-níquéis como “O Segredo”.

Quando vem a informação que estamos entrando em um período onde será mais fácil trabalhar com isso, surge então a oportunidade de crescimento pessoal, liberação daquilo que nos limita e a capacidade de vivermos plenamente cada aspecto da nossa natureza – quero dizer, vivermos com maior qualidade de vida tanto as partes como o todo.

A Roda da Fortuna fala de ciclos. Na verdade, dois Arcanos Maiores falam de ciclos: A Roda da Fortuna e O Julgamento. A diferença é que, na Roda, tudo ao meu redor muda – eu, eventualmente. Com a carta do Julgamento, eu mudo, ainda que a realidade permaneça, aparentemente, a mesma – mas por pouco tempo, garanto.

Com uma Roda aplicada ao trabalho, sou promovido, rebaixado, mudo de setor, mudo de emprego, sou demitido. Com um Julgamento aplicado à mesma questão, muda a minha percepção a respeito do trabalho a partir do despertar de uma “nova consciência”. A partir deste novo ponto-de-vista, a maneira como eu me relaciono com todos estes elementos muda e é de mim que tudo mais se transforma.

Numa situação dessas, eu posso largar todos os meus diplomas, um nome de prestígio no mercado e um salário fabuloso para ser um shiatsu-terapeuta começando do zero, sei lá, simplesmente porque percebo que é essa a verdadeira vocação da minha alma – o exemplo é exagerado, mas não é, de todo, fantasioso.

Talvez, não por acaso, o Julgamento (20) seja a Roda (10) duplicada.

O fato é que, enquanto não despertarmos para a Unidade, temos que ter em mente que tudo é ilusão. Acreditamos que a vida, por exemplo, ora nos eleva, ora nos esmaga, mas alegria e sofrimento são percepções da mente limitada. É ela quem atribui valor a cada evento. Prova disso é que se você está mal-humorado por uma razão qualquer, mesmo que alguém queira te agradar cheio de bondade no coração isso será recebido com desconforto – a ação que vem de fora é boa, mas você, internamente, a rejeita – de modo que o prazer e o desprazer são relativos.

A fortuna da Roda não nos fala de riqueza, como parece sugerir, mas de “sorte” – é latim. Sorte – etimologicamente falando – significa “acaso”, o que pode ser bom ou ruim, por isso também se traduz fortuna por “destino”. Essa é a razão pela qual se dizia “boa sorte” ou “má sorte”.

Associar sorte a algo fortuito e azar a um evento desastroso é uma distorção nossa (um regionalismo, para ser mais exato), pois azar indica “dar oportunidade a”, e nada mais do que isso – você sabia?

Em algumas representações da Roda (e da deusa grega Fortuna – Tyche, para os gregos), encontramos pessoas ou animais presos a uma roda com as inscrições regnabo (“eu devo reinar”) à esquerda, regno (“eu reino”) na parte de cima, reganvi (“eu reinei”) no lado direito, e sum sine regno (“eu não tenho reino”) na parte de baixo – tudo isso para reforçar a ideia de ciclos que se renovam continuamente.

Omnia mutantur, nos et mutamur in illis (”todas as coisas mudam, e nós mudamos com elas”).

No livro Os Portões da Prática Budista, Chagdud Tulku Rinpoche nos aconselha a desfrutar bastante – e sem apegos – o caminho de subida, pois descer, depois de ter alcançado o ponto mais alto, é certo. Por outro lado, a boa notícia é que ao alcançarmos o ponto mais baixo da roda, só nos restará subir.

As práticas budistas se referem quase todo o tempo à impermanência exatamente por este motivo. Se a impermanência é inevitável, devemos aprender a lidar com ela para não sofrermos. Se fosse para adotar um lema, uma palavra-chave, para este Arcano, adotaria “isto também vai passar” – existe um conto onde esta frase se repete, vale a leitura.

Precisamos estar convictos, principalmente, que estamos exatamente onde devemos estar. Está tudo muito bom? Ótimo, compartilhe. Está tudo péssimo? Pergunte-se: o que existe aqui de aprendizado? Quem sou eu para estar vivendo esta situação?

Nos baralhos como o de Marseille e correlatos, A Roda traz uma manivela. Não tem ninguém ali, de modo a propor que talvez você possa ou deva influenciar na velocidade, ritmo ou direção. {imagem: Universal Tarot of Marseille}

Eu, particularmente, acho que existe uma pegadinha aí, pois se a Roda anda emperrada ou se está girando rápido demais, é preciso dar uma checada na engrenagem como um todo. Será que o ritmo não é intenso porque você não sabe o que fazer com o tempo, teoricamente, ocioso? Será que parar ou diminuir não implica em ter mais tempo para refletir sobre aquilo que você prefere ignorar? Se, por outro lado, a Roda anda meio lenta ou presa, o que precisa ser “azeitado” na sua vida? Onde estão as suas resistências?

O que eu quero dizer é que meter a mão sem critério só para impor uma vontade do ego pode resultar em um tremendo desastre. É como entregar um aparelho caro e sofisticado nas mãos de um mero curioso para consertar. Deu problema? Procure um especialista.

E por que, na seqüência das cartas, temos O Eremita de costas para A Roda? Porque ele está regressando depois de várias experiências de vida, incluindo a sua passagem pela Roda, e nos ensina que o segredo (ops!) é manter-se no centro, em contato com a própria essência, pois, na medida em que nos identificamos com as coisas externas, permitimos que elas determinem nossas alegrias e tristezas – o que é sempre um erro.

Lembre-se que O Eremita não evoca apenas a virtude da prudência, mas também da serenidade. O desespero é reflexo da falta de confiança no Universo. As águas sob a base da Roda são as águas das suas próprias emoções. É você quem faz a com que a superfície se agite ou permaneça estável.

Robert Place resolveu ilustrar os ciclos da Roda inserindo Fortuna no centro de uma mandala com os 12 signos do zodíaco – arte para o Tarot of the Sevenfold Mystery. Achei que a arte pode confundir alguém desavisado por causa da “semelhança” com a carta do Mundo, mas entendi a ideia, que fala do curso do Sol ao longo do ano.

Isto me fez pensar que o Sol em trânsito ilumina diferentes aspectos da nossa vida – representados pelas casas astrológicas de um mapa natal – e me ocorreu outra leitura a respeito da Roda da Fortuna, que passei a chamar também Roda da Vida – daí o título do post.

Achei até que estava sendo muito original, mas descobri que ideia e nome já são amplamente utilizados dentro de técnicas de coaching como uma ferramenta para se determinar o quanto de energia se vem empregando em diferentes setores da vida e o provável desequilíbrio no todo.

O centro tem valor 0 e a graduação varia de “totalmente insatisfeito” até “plenamente satisfeito”, na borda. Encontrei na Internet modelos de 8 e de 12 áreas. Quanto maior e mais uniforme for o círculo, melhor.

Trazendo esta informação para o propósito deste post, talvez 2008 também seja especialmente favorável para se trabalhar, com sucesso, o realinhamento das nossas prioridades, até porque a aerodinâmica de nossas Rodas (a da Vida e a da Fortuna, que, na verdade, são uma só) irá contribuir para a sua fluidez em torno do eixo, que somos nós mesmos.

Reduzindo os dígitos da Roda encontramos O Mago (1+0= 1) . Lembrando Elis Regina, que neste ano de Roda da Fortuna, ainda que nem sempre se ganhe, nem sempre se perca, possamos todos aprender a jogar – o resto é conversa.

Artigos relacionados

Liberdades Simbólicas – 5 de Copas

Surgiu uma pergunta interessante no Orkut esta semana que eu deixei de responder porque reinava uma certa confusão entre algumas pessoas. Achei melhor ficar quieto, mas aproveito alguns comentários feitos aqui e ali para compor dois posts a respeito de “liberdades simbólicas”, sendo este o primeiro. “Por que o cinco de copas tem um significado taromântico […]